(A)versão de Vinil
24 de novembro de 2008
Post para perguntas de Dezembro!
10 de dezembro de 2008

mix

Incitado pelo Lulu Camargo, eu resolvi fazer um pequeno teste para verificar se realmente passar um arquivo de áudio pelo ProTools “melhora” o som.

O teste é bem simples, e quem tiver os programas pode repeti-lo à vontade, nem precisa acreditar em mim: No Sound Forge, eu gerei 5 segundos de white noise, a 96Khz/24bits. Esse arquivo foi importado em uma sessão de ProTools e exportado novamente para um novo arquivo de onda. Novamente no Sound Forgeeu subtraí a onda resultante da original. Qualquer alteração microscópica entre as duas ondas gera um som diferente de zero.

O resultado da experiência? Silência matematicamente zero. Definitivamente, o ProTools NÃO melhora o som apenas por passá-lo nele.

PS: Pra não dizer que não mudou nada, o ProTools colocou um fade in e um fade out nas pontas do arquivo. Quem só acredita vendo (ou ouvindo!) como eu pode baixar os arquivos do meu teste aqui (apenas os 10 primeiros que tentarem conseguem, viva o rapidshare)

Paulo Assis
Paulo Assis
Produtor musical, trabalha com captação , mixagem, masterização e consultoria de áudio.

5 Comentários

  1. Leonardo disse:

    hum… se o John do Pato Fu ainda usasse Pro Tools eu ia ficar achando que o “cara do estúdio” era ele… hehe

  2. Paulo Assis disse:

    Salve Lulu!
    Como diz a minha esposa, “não há o que perdoar”: Apesar de irônico, seu comentário foi involuntariamente muito pertinente, porque eu ouço esse tipo de coisa o tempo todo, só que a sério!
    Mesmo que eu tivesse sacado a ironia, eu iria ter feito o teste do mesmo jeito, é bom pra acabar com esses mitos que rolam por aí.
    Só espero que o comentário sobre capas de vinil tenha sido sincero, com aquele eu concordei hehehe!
    Abraço!
    Paulo Assis
    Ps: Obrigado pelos elogios e pela nobre presença!

  3. Lulu disse:

    Ô Paulo! Eu de novo.
    Desculpe a brincadeira aí, foi mal. Tenho esse defeito de fazer comentários irônicos nos Blogs, esse aí com certeza não caiu bem.

    Admiro o seu blog pela sua clareza em analisar desde os aspectos mais simples aos mais avançados e polêmicos, e tou sacando que a minha ironia com relação ao (famigerado e fictício) “cara do estúdio” poderia causar alguma confusão aos seus leitores.
    Acho que não fui claro quanto a minha intenção, que foi apenas brincar um pouco com a já mencionada mitologia exacerbada a cerca do nome “pro-tools”.
    Mais uma vez, peço desculpas. Daqui pra frente continuarei a ler os seus posts, sempre interessantes – e prometo tomar mais cuidado com os meus comentários!

    Um grande abraço,
    Lulu Camargo

  4. Paulo Assis disse:

    Hahaha pior que tava! Tem tanto “cara de estúdio” falando besteira por aí que achei que você também tinha encontrado um no caminho…
    Espero que o teste tenha sido útil para alguns outros “caras de estúdio” hehe
    []s!
    Paulo Assis

  5. Lulu disse:

    Putz, eu não acredito que você tava me levando a sério!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Português