O que é o ProTools?
16 de novembro de 2008
A transparência do ProTools
26 de novembro de 2008

vinil

Passeando ontem pela Livraria Cultura, reparei que diversos álbuns estão sendo vendidos em vinil. Eu entendo porque alguém teria o fetiche de ter os discos do Bee Gees em sua forma original, e compreendo perfeitamente que as versões oficiais em CD dos álbuns dos Beatles sejam uma porcaria, o que faz algumas pessoas preferirem o velho vinil. Mas porque diabos – além dos DJs, obviamente – alguém iria querer um disco que acabou de ser gravado utilizando TUDO em tecnologia digital no formato de… vinil???

Sinceramente, me assusta pensar que alguém consegue realmente conceber que o vinil MELHORA o som de algo gravado digitalmente…

Paulo Assis
Paulo Assis
Produtor musical, trabalha com captação , mixagem, masterização e consultoria de áudio.

5 Comentários

  1. Thiago Montagner disse:

    Ter um LP não é mais fetiche do que ter um CD! Se o vinil melhora ou não, acho que é questão de gosto, do ponto de vista de cada um. Que é diferente acho que ninguém discorda, portanto, como somos diferentes uns dos outros, também haverá julgamentos diferentes sobre as mesmas coisas…ou será que não são as mesmas coisas? Pode ser que eu perceba um Lp de maneira muito mais sensível que alguém que ouça um CD do mesmo album, e vice versa. Acho que o fundamental, antes de tudo, é saber se percebemos de maneira igual ou diferente (o que é muito dificil). Um comentário pessoal agora: que delícia é ouvir um Lp que ainda não saiu em CD e que, muito provavelmente, nunca sairá!!! Valeu gente!!!

  2. Paulo Assis disse:

    Olá Daniel
    Será que o “analógico padrão” é realmente melhor do que o “digital padrão”? Minha experiência diz que não, que é MUITO mais fácil fabricar bons componentes eletrônicos ou digitais do que bons componentes físicos/mecânicos. Uma agulha será sempre mais frágil e sujeita a variações de fabricação do que um chip. Mas eu concordo que existem muitos conversores D/A que são um lixo por aí!
    Quanto ao lúdico do vinil, isso é bem discutível… eu não quero fazer scratch, eu quero ouvir o som original, e o chiado… bem, ele não é original.
    Abraço, valeu o comentário!
    Paulo Assis

  3. Daniel disse:

    Acredito ser melhor ouvir uma master digital que posteriormente virou vinil num eq analogico padrao, digo, nem o melhor, nem o pior, do que em diversos aparelhos de leitura de cd que na sua esmagadora maioria possuem um D/A horrivel, cheios de jitter que produzem o tal som “digital” que muitos reclamam, mas q nao é só por ser digital, e sim por ser mal covertido
    alem disso, o vinil é lúdico, gera um bom papo entre as pessoas, pode ser feito scratch, e tem o chiado original.
    valeu vinil!

  4. Paulo Assis disse:

    Só quando ela foi pensada para ter o tamanho de um vinil, eu concordo! Mas quando ela foi pensada para CD, às vezes o formato menor é o mais adequado, já que é a escala pensada originalmente no projeto.
    Mas, graficamente, eu também prefiro o tamanho do vinil 🙂

  5. Lulu disse:

    A capa fica mais bonita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Português